Gestão da Manutenção: pilares que sustentam a qualidade operacional

O que você vai ver neste artigo?

  1. Pilares da gestão da manutenção produtiva total (TPM)
  2. Além da manutenção produtiva total
  3. Os 4 pilares da gestão da manutenção de qualidade

A gestão da manutenção é um componente crítico de qualquer organização, pois é responsável por garantir que todos os equipamentos e máquinas funcionem de forma adequada e eficaz. Por exemplo, ao manter tudo em boas condições de funcionamento, gerentes de manutenção ajudam a evitar o dispendioso tempo de inatividade e as contas de reparo.  

É por isso que é interessante falar sobre os pilares para uma gestão de manutenção eficaz e qual o impacto que eles têm no negócio de uma organização. 

Ao falar sobre pilares da gestão da manutenção, o tópico geralmente se concentra nos pilares que se relacionam com a aplicação de uma estratégia de manutenção específica conhecida como manutenção produtiva total ou TPM. 

Pilares da Gestão da Manutenção Produtiva Total (TPM)  

Normalmente, 8 princípios são definidos como os pilares da gestão da manutenção produtiva total (TPM). Estes pilares são os seguintes. 

  1. Concentre-se em melhorias ou melhorias focadas

Extraído do conceito japonês Kobetsu Kaizen, este pilar representa a intenção de melhorar continuamente com a intenção de evitar o desperdício ou a perda de equipamentos, mão-de-obra, matérias-primas e energia. 

  1. Manutenção autônoma

Este pilar também surge de um conceito japonês. Neste caso, o Jishu Hozen que se refere à integração do operador da máquina com os operadores de manutenção.

Em outras palavras, o operador tem autonomia para executar tarefas básicas de manutenção, como limpar, inspecionar e relatar possíveis falhas dos equipamentos e ativos que opera, a fim de permitir que os operadores de manutenção se concentrem nos trabalhos mais pesados, para que a disponibilidade possa ser aumentada e os custos reduzidos. 

Por exemplo, na indústria de petróleo e gás, um operador pode verificar regularmente os medidores, leituras de temperatura e outros indicadores de uma peça de maquinário ou equipamento para se certificar de que está funcionando corretamente.

Além disso, você pode verificar se há sinais de danos ou desgaste que possam exigir a atenção de um técnico de manutenção. No caso de algo parecer funcionar mal ou estar em risco de falha, o operador pode tomar medidas imediatas, seja parando a máquina com segurança ou relatando o problema em um nível mais alto para que as medidas apropriadas sejam tomadas.  

Além dessas verificações básicas, os operadores também podem tomar medidas proativas, como limpar e lubrificar componentes quando necessário, bem como verificar conexões elétricas e fiação. Esse tipo de monitoramento e manutenção ajuda a evitar avarias, o que pode reduzir o tempo de inatividade e economizar dinheiro em reparos caros. 

  1. Manutenção da qualidade

Encontramos outro conceito japonês, o Hinshitsu Hozen. Este conceito refere-se à gestão da manutenção da qualidade. A intenção é eliminar defeitos de produção, por isso todas as possíveis causas devem ser analisadas. É por isso que a análise de causa raiz é essencial para o TPM. 

  1. Manutenção planejada

Manter um bom planejamento das tarefas de manutenção corretiva e preventiva para que sejam realizadas em horários que não afetem o restante das operações é a essência desse pilar. A recolha e análise são de vital importância, uma vez que permitem implementar uma manutenção preditiva que facilita o planeamento. 

  1. Prevenção de manutenção

A melhor manutenção é aquela que não é necessária, e é a isso que este quinto pilar se refere. Trata-se de alcançar a gestão ideal de novos equipamentos, seja através da pesquisa e desenvolvimento de novas máquinas que podem ser usadas pela organização ou do redesenho de processos, verificação de novos projetos e realização de testes de operações. 

As experiências anteriores são muitas vezes vitais, seja a mudança para a pintura antiderrapante para o tráfego de pessoas na fábrica ou a seleção de um novo sistema de gerenciamento como uma plataforma de manutenção inteligente. 

  1. Educação e formação contínua

A educação e a formação, para além de contínuas, devem ir além das tarefas de manutenção para que todos os trabalhadores obtenham os conhecimentos e desenvolvam as competências necessárias para atingir os objetivos da organização. Isso se torna mais relevante com o avanço da tecnologia e a implementação de novos sistemas para o gerenciamento de diferentes operações dentro da organização, incluindo sistemas de manutenção e gestão de ativos, como os CMMS. 

Além disso, se os operadores receberem treinamento adequado sobre como identificar possíveis problemas com seus equipamentos, eles podem ajudar a diagnosticar problemas mais rapidamente para que os técnicos possam resolvê-los ainda mais cedo. 

Ao treinar operadores de máquinas com responsabilidades básicas de manutenção, como as mencionadas acima, as empresas podem aumentar a disponibilidade e reduzir os custos associados a avarias. 

  1. Segurança e higiene no ambiente

Claramente, o TPM coloca a segurança e a saúde no trabalho como um dos pontos mais importantes a serem atendidos. Isso inclui a prevenção de acidentes, o cuidado com o meio ambiente e a redução de situações de estresse e exaustão físico-mental que possam afetar os funcionários. 

  1. Integração de departamentos

Este pilar se concentra em destacar a importância que a filosofia por trás do TPM deve ir além do departamento de manutenção. Os departamentos administrativos e de apoio também devem contribuir para uma cultura organizacional que permita que essa filosofia seja bem-sucedida. Desta forma, os 7 pilares anteriores devem ser aplicados em todos os departamentos em uníssono. 

Além da Manutenção Produtiva Total (TPM) 

É claro que nem todas as organizações aplicam essa estratégia, por isso seria interessante ter uma visão mais geral dos pilares da gestão da manutenção da qualidade e é isso que tentaremos a seguir. 

Existem 4 pilares principais da gestão da manutenção da qualidade fora da manutenção produtiva total. Estes são manutenção preventiva, manutenção preditiva, manutenção baseada em condições e gestão de ativos. Vejamos cada um deles com mais detalhes. 

Os 4 pilares da gestão da manutenção da qualidade 

1. Manutenção preventiva  

A manutenção preventiva é um serviço programado que é realizado no equipamento antes que ele quebre. Este tipo de manutenção é geralmente realizada em uma base regular, por exemplo, mensal ou anualmente. O objetivo da manutenção preventiva é evitar que o equipamento quebre em primeiro lugar  

2. Manutenção preditiva  

A manutenção preditiva usa dados coletados por sensores para prever quando o equipamento falhará. Essas informações são usadas para agendar a manutenção preventiva antes que o problema ocorra. A manutenção preditiva pode ajudar a evitar tempo de inatividade e reparos dispendiosos  

3. Manutenção baseada em condições  

A manutenção baseada em condições é uma forma reativa de manutenção que só é realizada quando necessário. Esse tipo de manutenção geralmente é realizado apenas em ativos de alto valor que são difíceis ou caros de substituir. Com a manutenção baseada em condições, os sensores são usados para monitorar o status do equipamento. Quando os sensores detectam um problema, os reparos necessários são feitos. 

Um exemplo na indústria de petróleo e gás é o uso de sistemas de monitoramento remoto com sensores e alarmes integrados. Esses sistemas podem ser instalados em bombas, válvulas, tanques e outros ativos para controlar sua operação em tempo real.  

Por exemplo, se uma bomba estiver funcionando muito quente ou lenta, um alarme soará e alertará o operador para que ele possa tomar medidas corretivas. O operador pode então acessar as informações de diagnóstico remotamente para determinar se o problema requer mais atenção de um profissional de manutenção. Graças a este sistema de alerta precoce, a manutenção proativa é possível em vez da manutenção reativa quando ocorre uma falha real. 

Além disso, esses mesmos sistemas podem ajudar a fornecer dados valiosos sobre o desempenho de diferentes componentes ao longo do tempo, ajudando o pessoal de manutenção a planejar melhor futuros reparos ou substituições, bem como identificar tendências no desempenho de ativos que possam sugerir problemas maiores no futuro.  O que nos leva ao próximo ponto. 

4. Gestão de Ativos  

A gestão de ativos é o processo de rastrear e gerenciar todos os ativos de uma organização. Isso inclui rastrear a localização dos ativos, a última vez que eles foram reparados e quem é responsável por eles. O software de gestão de ativos pode ser usado para rastrear e gerir ativos digitalmente. 

Ao entender e usar esses pilares, você poderá manter seu equipamento saudável e evitar tempo de inatividade e reparos dispendiosos. Para conseguir isso da maneira mais eficaz e eficiente, recomenda-se ter um sistema de gestão abrangente, como o sistema CMMS. Melhor ainda se você implementar uma plataforma de manutenção inteligente como a oferecida pela Fracttal. 

arrow_back

Gestão da Manutenção: pilares que sustentam a qualidade operacional

O que você vai ver neste artigo?

  1. Pilares da gestão da manutenção produtiva total (TPM)
  2. Além da manutenção produtiva total
  3. Os 4 pilares da gestão da manutenção de qualidade

A gestão da manutenção é um componente crítico de qualquer organização, pois é responsável por garantir que todos os equipamentos e máquinas funcionem de forma adequada e eficaz. Por exemplo, ao manter tudo em boas condições de funcionamento, gerentes de manutenção ajudam a evitar o dispendioso tempo de inatividade e as contas de reparo.  

É por isso que é interessante falar sobre os pilares para uma gestão de manutenção eficaz e qual o impacto que eles têm no negócio de uma organização. 

Ao falar sobre pilares da gestão da manutenção, o tópico geralmente se concentra nos pilares que se relacionam com a aplicação de uma estratégia de manutenção específica conhecida como manutenção produtiva total ou TPM. 

Pilares da Gestão da Manutenção Produtiva Total (TPM)  

Normalmente, 8 princípios são definidos como os pilares da gestão da manutenção produtiva total (TPM). Estes pilares são os seguintes. 

  1. Concentre-se em melhorias ou melhorias focadas

Extraído do conceito japonês Kobetsu Kaizen, este pilar representa a intenção de melhorar continuamente com a intenção de evitar o desperdício ou a perda de equipamentos, mão-de-obra, matérias-primas e energia. 

  1. Manutenção autônoma

Este pilar também surge de um conceito japonês. Neste caso, o Jishu Hozen que se refere à integração do operador da máquina com os operadores de manutenção.

Em outras palavras, o operador tem autonomia para executar tarefas básicas de manutenção, como limpar, inspecionar e relatar possíveis falhas dos equipamentos e ativos que opera, a fim de permitir que os operadores de manutenção se concentrem nos trabalhos mais pesados, para que a disponibilidade possa ser aumentada e os custos reduzidos. 

Por exemplo, na indústria de petróleo e gás, um operador pode verificar regularmente os medidores, leituras de temperatura e outros indicadores de uma peça de maquinário ou equipamento para se certificar de que está funcionando corretamente.

Além disso, você pode verificar se há sinais de danos ou desgaste que possam exigir a atenção de um técnico de manutenção. No caso de algo parecer funcionar mal ou estar em risco de falha, o operador pode tomar medidas imediatas, seja parando a máquina com segurança ou relatando o problema em um nível mais alto para que as medidas apropriadas sejam tomadas.  

Além dessas verificações básicas, os operadores também podem tomar medidas proativas, como limpar e lubrificar componentes quando necessário, bem como verificar conexões elétricas e fiação. Esse tipo de monitoramento e manutenção ajuda a evitar avarias, o que pode reduzir o tempo de inatividade e economizar dinheiro em reparos caros. 

  1. Manutenção da qualidade

Encontramos outro conceito japonês, o Hinshitsu Hozen. Este conceito refere-se à gestão da manutenção da qualidade. A intenção é eliminar defeitos de produção, por isso todas as possíveis causas devem ser analisadas. É por isso que a análise de causa raiz é essencial para o TPM. 

  1. Manutenção planejada

Manter um bom planejamento das tarefas de manutenção corretiva e preventiva para que sejam realizadas em horários que não afetem o restante das operações é a essência desse pilar. A recolha e análise são de vital importância, uma vez que permitem implementar uma manutenção preditiva que facilita o planeamento. 

  1. Prevenção de manutenção

A melhor manutenção é aquela que não é necessária, e é a isso que este quinto pilar se refere. Trata-se de alcançar a gestão ideal de novos equipamentos, seja através da pesquisa e desenvolvimento de novas máquinas que podem ser usadas pela organização ou do redesenho de processos, verificação de novos projetos e realização de testes de operações. 

As experiências anteriores são muitas vezes vitais, seja a mudança para a pintura antiderrapante para o tráfego de pessoas na fábrica ou a seleção de um novo sistema de gerenciamento como uma plataforma de manutenção inteligente. 

  1. Educação e formação contínua

A educação e a formação, para além de contínuas, devem ir além das tarefas de manutenção para que todos os trabalhadores obtenham os conhecimentos e desenvolvam as competências necessárias para atingir os objetivos da organização. Isso se torna mais relevante com o avanço da tecnologia e a implementação de novos sistemas para o gerenciamento de diferentes operações dentro da organização, incluindo sistemas de manutenção e gestão de ativos, como os CMMS. 

Além disso, se os operadores receberem treinamento adequado sobre como identificar possíveis problemas com seus equipamentos, eles podem ajudar a diagnosticar problemas mais rapidamente para que os técnicos possam resolvê-los ainda mais cedo. 

Ao treinar operadores de máquinas com responsabilidades básicas de manutenção, como as mencionadas acima, as empresas podem aumentar a disponibilidade e reduzir os custos associados a avarias. 

  1. Segurança e higiene no ambiente

Claramente, o TPM coloca a segurança e a saúde no trabalho como um dos pontos mais importantes a serem atendidos. Isso inclui a prevenção de acidentes, o cuidado com o meio ambiente e a redução de situações de estresse e exaustão físico-mental que possam afetar os funcionários. 

  1. Integração de departamentos

Este pilar se concentra em destacar a importância que a filosofia por trás do TPM deve ir além do departamento de manutenção. Os departamentos administrativos e de apoio também devem contribuir para uma cultura organizacional que permita que essa filosofia seja bem-sucedida. Desta forma, os 7 pilares anteriores devem ser aplicados em todos os departamentos em uníssono. 

Além da Manutenção Produtiva Total (TPM) 

É claro que nem todas as organizações aplicam essa estratégia, por isso seria interessante ter uma visão mais geral dos pilares da gestão da manutenção da qualidade e é isso que tentaremos a seguir. 

Existem 4 pilares principais da gestão da manutenção da qualidade fora da manutenção produtiva total. Estes são manutenção preventiva, manutenção preditiva, manutenção baseada em condições e gestão de ativos. Vejamos cada um deles com mais detalhes. 

Os 4 pilares da gestão da manutenção da qualidade 

1. Manutenção preventiva  

A manutenção preventiva é um serviço programado que é realizado no equipamento antes que ele quebre. Este tipo de manutenção é geralmente realizada em uma base regular, por exemplo, mensal ou anualmente. O objetivo da manutenção preventiva é evitar que o equipamento quebre em primeiro lugar  

2. Manutenção preditiva  

A manutenção preditiva usa dados coletados por sensores para prever quando o equipamento falhará. Essas informações são usadas para agendar a manutenção preventiva antes que o problema ocorra. A manutenção preditiva pode ajudar a evitar tempo de inatividade e reparos dispendiosos  

3. Manutenção baseada em condições  

A manutenção baseada em condições é uma forma reativa de manutenção que só é realizada quando necessário. Esse tipo de manutenção geralmente é realizado apenas em ativos de alto valor que são difíceis ou caros de substituir. Com a manutenção baseada em condições, os sensores são usados para monitorar o status do equipamento. Quando os sensores detectam um problema, os reparos necessários são feitos. 

Um exemplo na indústria de petróleo e gás é o uso de sistemas de monitoramento remoto com sensores e alarmes integrados. Esses sistemas podem ser instalados em bombas, válvulas, tanques e outros ativos para controlar sua operação em tempo real.  

Por exemplo, se uma bomba estiver funcionando muito quente ou lenta, um alarme soará e alertará o operador para que ele possa tomar medidas corretivas. O operador pode então acessar as informações de diagnóstico remotamente para determinar se o problema requer mais atenção de um profissional de manutenção. Graças a este sistema de alerta precoce, a manutenção proativa é possível em vez da manutenção reativa quando ocorre uma falha real. 

Além disso, esses mesmos sistemas podem ajudar a fornecer dados valiosos sobre o desempenho de diferentes componentes ao longo do tempo, ajudando o pessoal de manutenção a planejar melhor futuros reparos ou substituições, bem como identificar tendências no desempenho de ativos que possam sugerir problemas maiores no futuro.  O que nos leva ao próximo ponto. 

4. Gestão de Ativos  

A gestão de ativos é o processo de rastrear e gerenciar todos os ativos de uma organização. Isso inclui rastrear a localização dos ativos, a última vez que eles foram reparados e quem é responsável por eles. O software de gestão de ativos pode ser usado para rastrear e gerir ativos digitalmente. 

Ao entender e usar esses pilares, você poderá manter seu equipamento saudável e evitar tempo de inatividade e reparos dispendiosos. Para conseguir isso da maneira mais eficaz e eficiente, recomenda-se ter um sistema de gestão abrangente, como o sistema CMMS. Melhor ainda se você implementar uma plataforma de manutenção inteligente como a oferecida pela Fracttal.