Ciclo de vida de ativos: Como gerenciá-los?

O que você vai ver neste artigo?

  1. Quais são as fases do ciclo de vida de um ativo?
  2. Aquisição
  3. Operação
  4. Manutenção
  5. Eliminação

O ciclo de vida de um ativo é representado por uma série de fases pelas quais esse ativo passa desde a sua aquisição e comissionamento até a sua alienação. Cada fase apresenta desafios diferentes, mas também oferece oportunidades de redução de custos. Naturalmente, um dos aspectos mais importantes para que o ciclo de vida de um ativo seja o mais longo possível é a manutenção que é dada durante a sua fase de operação. 

pilares e fases do ciclo de vida de um ativo

Neste texto, falaremos sobre os diferentes estágios do ciclo de vida de um ativo e como os gerentes de manutenção podem tirar o máximo proveito de cada um.

Quais são as fases do ciclo de vida de um ativo?

O ciclo de vida de um ativo pode ser dividido em quatro fases principais: aquisição, operação, operação ou manutenção e alienação. Se você quiser saber o que cada fase implica, convidamos você a continuar lendo enquanto compartilhamos todos os detalhes. 

Aquisição de ativos

Esta é a fase em que uma organização compra ou adquire um ativo de alguma forma. O objetivo durante esta fase deve ser obter o melhor valor para o dinheiro. Isso significa levar em conta não apenas o preço de compra, mas também os custos de propriedade (TCO). O custo total de propriedade não inclui apenas o preço de compra inicial, mas também os custos de manutenção e reparo, bem como a depreciação. 

Em outras palavras, ativos de preço mais baixo podem exigir manutenção mais frequente e ter uma vida útil mais curta, o que poderia resultar em um custo mais alto a longo prazo. Neste ponto, os profissionais de manutenção podem fornecer informações valiosas sobre o que pode ser esperado do ativo em questão em termos de sua confiabilidade e capacidade de manutenção para ajudar a tomar decisões. 

Por exemplo, a fase de aquisição do ciclo de vida de um ativo é uma parte fundamental do processo de gerenciamento do setor de energia. Durante esta fase, os ativos potenciais são identificados e avaliados de acordo com uma série de critérios. Isso inclui uma avaliação do impacto ambiental e do desempenho, bem como fatores financeiros, como custo, depreciação estimada e retorno esperado do investimento. 

Para garantir uma boa tomada de decisão, as organizações geralmente recorrem a engenheiros consultores para aconselhamento antes de tomar decisões de compra. Projetos complicados podem exigir a devida diligência com revisões legais do vendedor e do ativo em questão. Uma vez que o ativo ideal é identificado e adquirido, o gerenciamento de ativos começa, envolvendo atividades contínuas, como manutenção, atualizações e planejamento de obsolescência para garantir que os ativos permaneçam úteis e alinhados com os objetivos de negócios. Um processo de aquisição eficaz permitirá que as organizações alcancem o sucesso a longo prazo e reduzam seu perfil geral de risco. 

Em conclusão, é importante fazer a devida diligência durante esta fase e selecionar um ativo que atenda às suas necessidades agora e no futuro. 

Operação de ativos

Uma vez que o ativo tenha sido adquirido, ele entra na fase de operação, também chamada de exploração ou implantação. Nesta fase, concentre-se em tirar o máximo proveito do ativo e minimizar o tempo de inatividade. Uma maneira de fazer isso é aplicando um programa de manutenção preventiva. A manutenção preventiva consiste em inspeções e revisões periódicas de um ativo para identificar possíveis problemas antes que eles ocorram. A implementação de um programa de manutenção preventiva pode ajudar a prolongar a vida útil de um ativo e melhorar sua confiabilidade.  

Ao implantar um ativo, é importante garantir que ele seja usado de acordo com sua finalidade e que todo o treinamento necessário seja realizado para familiarizar o pessoal com seu manuseio com segurança e eficácia. Um ponto importante nessa fase é a instalação e o comissionamento. Isso pode ser caro, por isso é importante garantir que a instalação seja feita corretamente na primeira vez. 

Ressalta-se que é importante que os profissionais de manutenção que serão responsáveis por garantir a disponibilidade dos ativos que estão sendo instalados para operação participem ativamente dessa fase. Assim, esses profissionais poderão garantir que os ativos sejam instalados com todas as condições que possam facilitar futuras tarefas de manutenção. Por exemplo, eles podem garantir que os pontos de lubrificação e amostragem de óleo sejam instalados no equipamento onde essas atividades são necessárias. 

Para as empresas do setor de hospitalidade, a fase de exploração do ciclo de vida de um ativo pode envolver a manutenção de um inventário de todos os suprimentos e equipamentos necessários, bem como a prestação de serviços de manutenção regulares. 

Durante esta fase, é importante responder rapidamente a quaisquer necessidades de reparação ou substituição que surjam. Além disso, a gestão precisa garantir um bom ambiente de trabalho para clientes e funcionários. Isso inclui garantir ventilação adequada e fontes de luz natural adequadas em toda a propriedade. 

Além disso, os protocolos de saúde e segurança devem ser continuamente monitorados e quaisquer violações devem ser tratadas imediatamente para minimizar possíveis responsabilidades ou multas. À medida que o relógio continua a funcionar durante o uso, o agendamento adequado também deve ser levado em conta para permitir o uso ideal do espaço e dos recursos sem comprometer a satisfação do funcionário ou do cliente. Em geral, gerenciar a fase de exploração do ciclo de vida de um ativo de uma empresa de hospitalidade requer planejamento e execução cuidadosos para manter os clientes satisfeitos, protegendo-se de passivos ou emaranhados legais. 

Manutenção de ativos

Esta fase geralmente se sobrepõe à anterior, por isso é geralmente conhecida como a fase de operação e manutenção. Com o tempo, todos os ativos precisarão de alguma forma de reparo ou substituição devido ao desgaste normal. O objetivo durante essa fase é realizar esses reparos e substituições de maneira oportuna e econômica. Uma maneira de fazer isso é ter peças de reposição à mão para que você possa fazer reparos rapidamente quando necessário. Outra maneira de economizar dinheiro durante esta fase é reparar em vez de substituir componentes sempre que possível. 

É nessa fase que os gerentes de manutenção e demais profissionais da área têm a maior quantidade de trabalho. No final, eles são responsáveis por todas as tarefas que garantirão a confiabilidade e disponibilidade do ativo. 

Por exemplo, no setor de transportes, a manutenção é uma fase crítica. Um plano de manutenção eficaz para uma empresa do setor de transporte deve incluir avaliações periódicas de todos os veículos quanto a danos, registros de manutenção que registrem como as peças foram verificadas ou substituídas ao longo do tempo e serviços de agendamento para manter os veículos atualizados com os mais recentes padrões de segurança. 

Todas as medidas tomadas devem ter como objetivo evitar o tempo de inatividade não planejado e garantir a conformidade com os regulamentos locais. Além disso, tomar ações corretivas periódicas, quando apropriado, pode ajudar a evitar reparos subsequentes dispendiosos. 

Essas estratégias de manutenção podem exigir recursos adicionais, como pessoal ou investimentos financeiros, mas acabarão resultando em economia de custos operacionais a longo prazo devido ao aumento da confiabilidade dos ativos e à redução do risco de acidentes catastróficos devido ao envelhecimento ou falhas de equipamentos não detectadas. 

Ao criar metas realistas em relação às atividades de manutenção planejadas versus reais e medi-las por meio de KPIs (Key Performance Indicators), as empresas podem obter insights sobre o que funciona bem para seu sistema de gerenciamento de ativos específico, ajudando-as a alcançar a máxima eficiência com custos mínimos.  

Para conseguir tudo isso, muitas empresas utilizam um CMMS (Computerized Maintenance Management System) na fase de manutenção do ciclo de vida de um ativo. Por exemplo, cada ativo da frota terá dados como horas de operação e históricos de reposição de peças que são rastreados e monitorados no CMMS. Este sistema permitirá que eles planejem e executem tarefas de manutenção no prazo, ajudando a manter seus ativos funcionando sem problemas e também evitando avarias dispendiosas. O CMMS também ajuda a agilizar os planos para medidas de manutenção preventiva, não apenas alertando os gerentes quando certas peças precisam ser substituídas, mas também pode agendar substituições de acordo. 

Os recursos de rastreamento também fornecem aos gerentes informações cruciais sobre a utilização de ativos que podem ser usadas para informar futuras decisões de compra, permitindo que as empresas façam investimentos mais inteligentes na saúde de longo prazo de suas frotas.  

Tudo isso combinado ajudará a garantir que qualquer ativo permaneça saudável o suficiente para permanecer em serviço durante todo o seu ciclo de vida.  Portanto, os sistemas CMMS são essenciais ao planejar as operações de uma empresa no setor de transportes ou em qualquer outra área em que o monitoramento detalhado de grandes ativos seja necessário. Essas plataformas oferecem uma riqueza de vantagens operacionais que nenhuma outra solução poderia igualar. Em última análise, qualquer organização que queira manter seus ativos funcionando deve considerar seriamente investir em uma ferramenta tão valiosa para agilizar o gerenciamento do ciclo de vida e melhorar a tomada de decisões. 

Eliminação de ativos

Quando um ativo chega ao fim de sua vida útil, ele deve ser descartado adequadamente. O objetivo durante esta fase é minimizar o desperdício e o impacto ambiental, cumprindo todas as leis e regulamentos aplicáveis. Por exemplo, muitos ativos podem ter que ser reciclados ou reutilizados em vez de enviados para aterro, enquanto outros podem ter que ser descartados como resíduos perigosos. 

Por exemplo, a maioria das organizações de saúde usa um serviço de coleta que transporta com segurança eletrônicos usados e locais de descarte seguros, como recicladores ou fundições certificadas, para descartar grandes quantidades de dispositivos eletrônicos. 

Além disso, grandes quantidades de documentos confidenciais também podem ser descartados por meio de serviços de trituração seguros para maior tranquilidade. Garantir que todos os ativos sejam descartados adequadamente não apenas protege os dados do paciente e do consumidor, mas é essencial para garantir a conformidade financeira e proteger a valiosa reputação da marca. Portanto, a fase de descarte deve fazer parte de qualquer plano abrangente do ciclo de vida dos ativos para ser bem-sucedida. 

As tarefas do departamento de manutenção em uma organização de saúde durante a fase de descarte de um ativo de seu ciclo de vida é garantir que o processo de aposentadoria seja realizado de acordo com os protocolos estabelecidos. A equipe do departamento deve explicar minuciosamente ao pessoal relevante por que o ativo está sendo eliminado e determinar a melhor forma de realocá-lo ou descartá-lo. Isso pode envolver a verificação do equipamento antes da realocação, a organização de contratos de descarte com fornecedores terceirizados e a criação de registros detalhando o impacto dos custos associados à realocação ou descarte de ativos.

Além disso, eles devem desativar todas as chaves de licença associadas a esse equipamento, verificar se há itens restantes, como baterias, cabos ou ferramentas, que precisam ser removidos junto com o ativo em questão e coordenar a logística de transporte e entrega, se necessário.

Gerenciar efetivamente o ciclo de vida de um bem pode economizar tempo e dinheiro da sua organização. Se você estiver ciente dos diferentes estágios do ciclo de vida de um ativo e tomar medidas para otimizar cada um deles, poderá manter seus ativos funcionando por mais tempo. 

arrow_back

Ciclo de vida de ativos: Como gerenciá-los?

O que você vai ver neste artigo?

  1. Quais são as fases do ciclo de vida de um ativo?
  2. Aquisição
  3. Operação
  4. Manutenção
  5. Eliminação

O ciclo de vida de um ativo é representado por uma série de fases pelas quais esse ativo passa desde a sua aquisição e comissionamento até a sua alienação. Cada fase apresenta desafios diferentes, mas também oferece oportunidades de redução de custos. Naturalmente, um dos aspectos mais importantes para que o ciclo de vida de um ativo seja o mais longo possível é a manutenção que é dada durante a sua fase de operação. 

pilares e fases do ciclo de vida de um ativo

Neste texto, falaremos sobre os diferentes estágios do ciclo de vida de um ativo e como os gerentes de manutenção podem tirar o máximo proveito de cada um.

Quais são as fases do ciclo de vida de um ativo?

O ciclo de vida de um ativo pode ser dividido em quatro fases principais: aquisição, operação, operação ou manutenção e alienação. Se você quiser saber o que cada fase implica, convidamos você a continuar lendo enquanto compartilhamos todos os detalhes. 

Aquisição de ativos

Esta é a fase em que uma organização compra ou adquire um ativo de alguma forma. O objetivo durante esta fase deve ser obter o melhor valor para o dinheiro. Isso significa levar em conta não apenas o preço de compra, mas também os custos de propriedade (TCO). O custo total de propriedade não inclui apenas o preço de compra inicial, mas também os custos de manutenção e reparo, bem como a depreciação. 

Em outras palavras, ativos de preço mais baixo podem exigir manutenção mais frequente e ter uma vida útil mais curta, o que poderia resultar em um custo mais alto a longo prazo. Neste ponto, os profissionais de manutenção podem fornecer informações valiosas sobre o que pode ser esperado do ativo em questão em termos de sua confiabilidade e capacidade de manutenção para ajudar a tomar decisões. 

Por exemplo, a fase de aquisição do ciclo de vida de um ativo é uma parte fundamental do processo de gerenciamento do setor de energia. Durante esta fase, os ativos potenciais são identificados e avaliados de acordo com uma série de critérios. Isso inclui uma avaliação do impacto ambiental e do desempenho, bem como fatores financeiros, como custo, depreciação estimada e retorno esperado do investimento. 

Para garantir uma boa tomada de decisão, as organizações geralmente recorrem a engenheiros consultores para aconselhamento antes de tomar decisões de compra. Projetos complicados podem exigir a devida diligência com revisões legais do vendedor e do ativo em questão. Uma vez que o ativo ideal é identificado e adquirido, o gerenciamento de ativos começa, envolvendo atividades contínuas, como manutenção, atualizações e planejamento de obsolescência para garantir que os ativos permaneçam úteis e alinhados com os objetivos de negócios. Um processo de aquisição eficaz permitirá que as organizações alcancem o sucesso a longo prazo e reduzam seu perfil geral de risco. 

Em conclusão, é importante fazer a devida diligência durante esta fase e selecionar um ativo que atenda às suas necessidades agora e no futuro. 

Operação de ativos

Uma vez que o ativo tenha sido adquirido, ele entra na fase de operação, também chamada de exploração ou implantação. Nesta fase, concentre-se em tirar o máximo proveito do ativo e minimizar o tempo de inatividade. Uma maneira de fazer isso é aplicando um programa de manutenção preventiva. A manutenção preventiva consiste em inspeções e revisões periódicas de um ativo para identificar possíveis problemas antes que eles ocorram. A implementação de um programa de manutenção preventiva pode ajudar a prolongar a vida útil de um ativo e melhorar sua confiabilidade.  

Ao implantar um ativo, é importante garantir que ele seja usado de acordo com sua finalidade e que todo o treinamento necessário seja realizado para familiarizar o pessoal com seu manuseio com segurança e eficácia. Um ponto importante nessa fase é a instalação e o comissionamento. Isso pode ser caro, por isso é importante garantir que a instalação seja feita corretamente na primeira vez. 

Ressalta-se que é importante que os profissionais de manutenção que serão responsáveis por garantir a disponibilidade dos ativos que estão sendo instalados para operação participem ativamente dessa fase. Assim, esses profissionais poderão garantir que os ativos sejam instalados com todas as condições que possam facilitar futuras tarefas de manutenção. Por exemplo, eles podem garantir que os pontos de lubrificação e amostragem de óleo sejam instalados no equipamento onde essas atividades são necessárias. 

Para as empresas do setor de hospitalidade, a fase de exploração do ciclo de vida de um ativo pode envolver a manutenção de um inventário de todos os suprimentos e equipamentos necessários, bem como a prestação de serviços de manutenção regulares. 

Durante esta fase, é importante responder rapidamente a quaisquer necessidades de reparação ou substituição que surjam. Além disso, a gestão precisa garantir um bom ambiente de trabalho para clientes e funcionários. Isso inclui garantir ventilação adequada e fontes de luz natural adequadas em toda a propriedade. 

Além disso, os protocolos de saúde e segurança devem ser continuamente monitorados e quaisquer violações devem ser tratadas imediatamente para minimizar possíveis responsabilidades ou multas. À medida que o relógio continua a funcionar durante o uso, o agendamento adequado também deve ser levado em conta para permitir o uso ideal do espaço e dos recursos sem comprometer a satisfação do funcionário ou do cliente. Em geral, gerenciar a fase de exploração do ciclo de vida de um ativo de uma empresa de hospitalidade requer planejamento e execução cuidadosos para manter os clientes satisfeitos, protegendo-se de passivos ou emaranhados legais. 

Manutenção de ativos

Esta fase geralmente se sobrepõe à anterior, por isso é geralmente conhecida como a fase de operação e manutenção. Com o tempo, todos os ativos precisarão de alguma forma de reparo ou substituição devido ao desgaste normal. O objetivo durante essa fase é realizar esses reparos e substituições de maneira oportuna e econômica. Uma maneira de fazer isso é ter peças de reposição à mão para que você possa fazer reparos rapidamente quando necessário. Outra maneira de economizar dinheiro durante esta fase é reparar em vez de substituir componentes sempre que possível. 

É nessa fase que os gerentes de manutenção e demais profissionais da área têm a maior quantidade de trabalho. No final, eles são responsáveis por todas as tarefas que garantirão a confiabilidade e disponibilidade do ativo. 

Por exemplo, no setor de transportes, a manutenção é uma fase crítica. Um plano de manutenção eficaz para uma empresa do setor de transporte deve incluir avaliações periódicas de todos os veículos quanto a danos, registros de manutenção que registrem como as peças foram verificadas ou substituídas ao longo do tempo e serviços de agendamento para manter os veículos atualizados com os mais recentes padrões de segurança. 

Todas as medidas tomadas devem ter como objetivo evitar o tempo de inatividade não planejado e garantir a conformidade com os regulamentos locais. Além disso, tomar ações corretivas periódicas, quando apropriado, pode ajudar a evitar reparos subsequentes dispendiosos. 

Essas estratégias de manutenção podem exigir recursos adicionais, como pessoal ou investimentos financeiros, mas acabarão resultando em economia de custos operacionais a longo prazo devido ao aumento da confiabilidade dos ativos e à redução do risco de acidentes catastróficos devido ao envelhecimento ou falhas de equipamentos não detectadas. 

Ao criar metas realistas em relação às atividades de manutenção planejadas versus reais e medi-las por meio de KPIs (Key Performance Indicators), as empresas podem obter insights sobre o que funciona bem para seu sistema de gerenciamento de ativos específico, ajudando-as a alcançar a máxima eficiência com custos mínimos.  

Para conseguir tudo isso, muitas empresas utilizam um CMMS (Computerized Maintenance Management System) na fase de manutenção do ciclo de vida de um ativo. Por exemplo, cada ativo da frota terá dados como horas de operação e históricos de reposição de peças que são rastreados e monitorados no CMMS. Este sistema permitirá que eles planejem e executem tarefas de manutenção no prazo, ajudando a manter seus ativos funcionando sem problemas e também evitando avarias dispendiosas. O CMMS também ajuda a agilizar os planos para medidas de manutenção preventiva, não apenas alertando os gerentes quando certas peças precisam ser substituídas, mas também pode agendar substituições de acordo. 

Os recursos de rastreamento também fornecem aos gerentes informações cruciais sobre a utilização de ativos que podem ser usadas para informar futuras decisões de compra, permitindo que as empresas façam investimentos mais inteligentes na saúde de longo prazo de suas frotas.  

Tudo isso combinado ajudará a garantir que qualquer ativo permaneça saudável o suficiente para permanecer em serviço durante todo o seu ciclo de vida.  Portanto, os sistemas CMMS são essenciais ao planejar as operações de uma empresa no setor de transportes ou em qualquer outra área em que o monitoramento detalhado de grandes ativos seja necessário. Essas plataformas oferecem uma riqueza de vantagens operacionais que nenhuma outra solução poderia igualar. Em última análise, qualquer organização que queira manter seus ativos funcionando deve considerar seriamente investir em uma ferramenta tão valiosa para agilizar o gerenciamento do ciclo de vida e melhorar a tomada de decisões. 

Eliminação de ativos

Quando um ativo chega ao fim de sua vida útil, ele deve ser descartado adequadamente. O objetivo durante esta fase é minimizar o desperdício e o impacto ambiental, cumprindo todas as leis e regulamentos aplicáveis. Por exemplo, muitos ativos podem ter que ser reciclados ou reutilizados em vez de enviados para aterro, enquanto outros podem ter que ser descartados como resíduos perigosos. 

Por exemplo, a maioria das organizações de saúde usa um serviço de coleta que transporta com segurança eletrônicos usados e locais de descarte seguros, como recicladores ou fundições certificadas, para descartar grandes quantidades de dispositivos eletrônicos. 

Além disso, grandes quantidades de documentos confidenciais também podem ser descartados por meio de serviços de trituração seguros para maior tranquilidade. Garantir que todos os ativos sejam descartados adequadamente não apenas protege os dados do paciente e do consumidor, mas é essencial para garantir a conformidade financeira e proteger a valiosa reputação da marca. Portanto, a fase de descarte deve fazer parte de qualquer plano abrangente do ciclo de vida dos ativos para ser bem-sucedida. 

As tarefas do departamento de manutenção em uma organização de saúde durante a fase de descarte de um ativo de seu ciclo de vida é garantir que o processo de aposentadoria seja realizado de acordo com os protocolos estabelecidos. A equipe do departamento deve explicar minuciosamente ao pessoal relevante por que o ativo está sendo eliminado e determinar a melhor forma de realocá-lo ou descartá-lo. Isso pode envolver a verificação do equipamento antes da realocação, a organização de contratos de descarte com fornecedores terceirizados e a criação de registros detalhando o impacto dos custos associados à realocação ou descarte de ativos.

Além disso, eles devem desativar todas as chaves de licença associadas a esse equipamento, verificar se há itens restantes, como baterias, cabos ou ferramentas, que precisam ser removidos junto com o ativo em questão e coordenar a logística de transporte e entrega, se necessário.

Gerenciar efetivamente o ciclo de vida de um bem pode economizar tempo e dinheiro da sua organização. Se você estiver ciente dos diferentes estágios do ciclo de vida de um ativo e tomar medidas para otimizar cada um deles, poderá manter seus ativos funcionando por mais tempo.