Os 10 pilares da gestão ágil para aplicar no seu negócio

A eficiência e a rapidez são duas das características mais importantes para o sucesso de empresas. O uso de uma abordagem diferenciada, como a Gestão Ágil, pode ser determinante para alcançá-las.

Tanto empresas de pequeno porte quanto empresas grandes precisam dar conta de uma série de demandas ao longo dos dias. Inclusive, por vezes são tarefas que vão precisar ser realizadas ao mesmo tempo. Nesses casos, saber gerenciar os colaboradores é de suma importância.

Diante das mudanças profundas pelas quais o mercado passa, o desenvolvimento de novas fórmulas de gestão de projetos se faz primordial. No texto a seguir você vai conhecer uma delas, a chamada Gestão Ágil. Comece a ler para entender as vantagens, os resultados em potencial e os 10 pilares desse tipo de gestão.

O que é uma gestão de qualidade?

A Gestão Ágil divide processos extensos em partes menores. Isso é feito para aumentar a qualidade do trabalho e auxiliar na execução de cada etapa. Os ciclos de trabalho são curtos, o que garante que haja entregas a serem feitas ao longo de todos os dias úteis. A atuação dos colaboradores é pré-determinada e se foca na autogestão e no trabalho em equipe.

Dessa forma, uma equipe de equipamentos industriais se torna mais preparada para entregar os resultados esperados, por exemplo. A Gestão Ágil é versátil o suficiente para ser empregada em vários setores corporativos. Prossiga a leitura e conheça as principais vantagens do conceito nos tópicos a seguir para saber mais.

Quais são os benefícios da Gestão Ágil?

A incorporação dessa ideia à rotina de trabalho traz resultados bastante interessantes. O desempenho dos funcionários de 24h tende a melhorar muito com a aplicação da Gestão Ágil. As vantagens desta aplicação têm a ver com:

  • Mais agilidade;
  • Menos burocracia;
  • Autonomia;
  • Comunicação eficiente;
  • Participação do cliente.

1. Mais agilidade

A partir do momento que as atribuições dos membros do escritório de Stopper pdv são bem distribuídas, há um grande ganho em agilidade. As pessoas passam a ter uma ideia mais clara sobre a função delas em um contexto maior. A divisão de processos extensos em partes menores garante isso. Então, se todos os participantes se esforçam para cumprir cada pequena tarefa, o ambiente corporativo como um todo vai funcionar com mais agilidade.

2. Menos burocracia

A clareza do que deve ser feito é uma das causas para a redução dos processos burocráticos a nível empreendedor. A principal característica desse fato é a diminuição da dominância de uma figura de líder, como gerentes e diretores. Eles continuam existindo e sendo fundamentais para estabelecer a automação residencial, por exemplo, mas não precisam acompanhar o desempenho da equipe a todo momento.

3. Autonomia

Todo trabalho contém uma dose maior ou menor de desafios. Não vivemos em um mundo fixo e imutável. Circunstâncias inesperadas surgem e é preciso dar conta de superá-las. Os princípios da Gestão Ágil estimulam os colaboradores a resolverem problemas com autonomia, usando os talentos e conhecimentos para chegar às conclusões mais convenientes e adequadas. Pode-se dizer até mesmo que as equipes têm liberdade criativa: em face de um problema, elas têm independência para debater a solução entre si e superar barreiras em pouco tempo.

4. Comunicação eficiente

Esse nível de autonomia demanda que o time médico de consulta particular tenha uma comunicação totalmente transparente. O trabalho em equipe é, em larga medida, um esforço conjunto de transmissão de informações e troca de ideias.

O caráter detalhista da Gestão Ágil faz com que a eficiência comunicativa seja um elemento fundamental de todo o trabalho realizado, que inclui reuniões diárias ou semanais. Um time em completa sintonia é um time pronto para entregar resultados em tempo hábil.

5. Participação do cliente

A característica coletiva da Gestão Ágil também se estende à figura do cliente. Ele não fica isolado e distante, aguardando pelo produto ou serviço. Muito pelo contrário: ele pode ajudar no desenvolvimento de uma entrega nova atacado. Trata-se de uma participação ativa que assegura a qualidade do bem, durável ou não, que é oferecido.

Conheça os 10 pilares da Gestão Ágil

O conceito que estamos abordando ao longo do texto foi desenvolvido por um grande grupo de executivos denominado Aliança Ágil. Juntos, cerca de 20 profissionais definiram os 10 pilares da Gestão Ágil, que correspondem aos fundamentos dessa ideia.

É preciso conhecê-los para ter condições de empregá-los em diversos setores e áreas, desde atuador de dupla ação até indústria têxtil. Prossiga a leitura para ter contato com eles.

1. Entregas contínuas para a satisfação do cliente

A alta frequência de entregas durante o desenvolvimento do produto ou serviço é ótima para manter o cliente satisfeito. Essa condição permite que a empresa se planeje por fases, diminui as dúvidas e incertezas sobre o desempenho e, acima de tudo, aumenta a confiança do cliente na empresa.

Dessa forma, todo o processo de trabalho se dá de maneira otimizada e o produto final vai se adequar muito melhor às expectativas e às necessidades do consumidor.

2. Adequações dos projetos

Na Gestão Ágil, mudanças ao longo da execução dos projetos são muito bem-vindas. É uma característica típica do formato flexível que o conceito propõe.

As adequações são indícios de que a produção de gás r22 por exemplo, esteja seguindo os melhores parâmetros para a satisfação do consumidor final. Elas incluem até mesmo abandono ou criação de novas funções, tudo para criar a melhor solução para o público.

3. Executivos e desenvolvedores em conjunto

A Gestão Ágil possibilita que todas as partes do negócio participem em conjunto do desenvolvimento dele. Os executivos, desenvolvedores e clientes devem atuar em colaboração. Assim, os requisitos do sistema vão ser alcançados com maior qualidade. Além disso, essa característica torna possível fazer decisões mais assertivas. Os envolvidos têm acesso a informações e tecnologias próprias para isso.

4. Interação face a face

Mesmo que os aplicativos de comunicação à distância sejam cada vez mais necessários, as reuniões presenciais continuam sendo um dos pilares da Gestão Ágil. Os encontros diários ou semanais têm o papel de definir os próximos passos da equipe. O planejamento de cada projeto é realizado de forma gradual. Alinhar todas as expectativas e desempenhos fica mais simples com reuniões recorrentes.

5. Mensuração de resultados

Em geral, a qualidade do trabalho concretizado é medida por meio dos softwares funcionais que são entregues a cada iteração do ciclo produtivo. Os softwares funcionais consistem em ferramentas de alto valor agregado que podem ser implementadas pela empresa de forma gradual. Por serem partes específicas de um projeto maior, elas dão vislumbres iniciais do trabalho que está sendo executado. Ou seja, são prévias decisivas para calibrar as expectativas do cliente e continuar guiando o trabalho da equipe envolvida.

6. Jornada de trabalho sustentável

A Gestão Ágil não comporta horas extras e esforços adicionais em demasia. Assim, a equipe precisa ter uma boa capacidade produtiva, o que também engloba as horas de descanso. Por isso, o ideal é estabelecer uma jornada de trabalho com horários de entrada, saída e intervalos fixos. Esse é um pré-requisito para manter o time de colaboradores motivado e produtivo, sem causar exaustão e estresse exagerado.

7. Excelência técnica

O uso dessa modalidade de gestão de projetos traz o aspecto incremental, ou seja, o desenvolvimento de novas soluções depois que a excelência técnica de cada versão do projeto é alcançada. Com isso, o desenvolvimento do projeto se mantém evoluindo, agregando novas soluções e tecnologias até chegar ao ponto da elaboração completa. Além disso, há tempo hábil para realizar correções e ajustes, caso eles sejam necessários.

8. Simplicidade

Um time ágil é aquele que entrega resultados de qualidade sem ser submetido a jornadas de trabalho exaustivas. O segredo da Gestão Ágil é a simplicidade: menos carga horária sem impactar negativamente o desempenho da equipe. Esse binômio evita retrabalho e garante que o cliente receberá a solução em menos tempo. Ou seja, o retorno do investimento que ele realizou ocorre com mais rapidez.

9. Comprometimento do time

Os benefícios da autogestão já foram destacados anteriormente. Quem sabe exatamente as funções que deve realizar se esforça mais e gera resultados mais interessantes para a empresa, além de otimizar a rotina e conferências dos líderes. Para isso, o comprometimento dos colaboradores deve ser alto. O gestor tem que marcar presença para garantir que todos estão dando o seu melhor.

10. Avaliação do desempenho

O time precisa se reunir periodicamente para avaliar o desempenho obtido. A avaliação deve ocorrer com boa frequência. Ao fim de cada ciclo de trabalho, quem trabalhou em conjunto precisa mensurar o que foi feito de bom e de ruim. Assim, nos ciclos posteriores os colaboradores vão saber o que deve ser melhorado e o que deve ser mantido. A metodologia ágil é a ferramenta ideal para construir uma dinâmica de produção diferenciada e igualmente eficiente. O emprego estratégico dos princípios elencados aqui garante um ambiente corporativo altamente produtivo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection,
onde você pode encontrar centenas de outros conteúdos informativos 


Nueva llamada a la acción

Nenhum vídeo selecionado

Selecione um tipo de vídeo na barra lateral.

arrow_back

Os 10 pilares da gestão ágil para aplicar no seu negócio

A eficiência e a rapidez são duas das características mais importantes para o sucesso de empresas. O uso de uma abordagem diferenciada, como a Gestão Ágil, pode ser determinante para alcançá-las.

Tanto empresas de pequeno porte quanto empresas grandes precisam dar conta de uma série de demandas ao longo dos dias. Inclusive, por vezes são tarefas que vão precisar ser realizadas ao mesmo tempo. Nesses casos, saber gerenciar os colaboradores é de suma importância.

Diante das mudanças profundas pelas quais o mercado passa, o desenvolvimento de novas fórmulas de gestão de projetos se faz primordial. No texto a seguir você vai conhecer uma delas, a chamada Gestão Ágil. Comece a ler para entender as vantagens, os resultados em potencial e os 10 pilares desse tipo de gestão.

O que é uma gestão de qualidade?

A Gestão Ágil divide processos extensos em partes menores. Isso é feito para aumentar a qualidade do trabalho e auxiliar na execução de cada etapa. Os ciclos de trabalho são curtos, o que garante que haja entregas a serem feitas ao longo de todos os dias úteis. A atuação dos colaboradores é pré-determinada e se foca na autogestão e no trabalho em equipe.

Dessa forma, uma equipe de equipamentos industriais se torna mais preparada para entregar os resultados esperados, por exemplo. A Gestão Ágil é versátil o suficiente para ser empregada em vários setores corporativos. Prossiga a leitura e conheça as principais vantagens do conceito nos tópicos a seguir para saber mais.

Quais são os benefícios da Gestão Ágil?

A incorporação dessa ideia à rotina de trabalho traz resultados bastante interessantes. O desempenho dos funcionários de 24h tende a melhorar muito com a aplicação da Gestão Ágil. As vantagens desta aplicação têm a ver com:

  • Mais agilidade;
  • Menos burocracia;
  • Autonomia;
  • Comunicação eficiente;
  • Participação do cliente.

1. Mais agilidade

A partir do momento que as atribuições dos membros do escritório de Stopper pdv são bem distribuídas, há um grande ganho em agilidade. As pessoas passam a ter uma ideia mais clara sobre a função delas em um contexto maior. A divisão de processos extensos em partes menores garante isso. Então, se todos os participantes se esforçam para cumprir cada pequena tarefa, o ambiente corporativo como um todo vai funcionar com mais agilidade.

2. Menos burocracia

A clareza do que deve ser feito é uma das causas para a redução dos processos burocráticos a nível empreendedor. A principal característica desse fato é a diminuição da dominância de uma figura de líder, como gerentes e diretores. Eles continuam existindo e sendo fundamentais para estabelecer a automação residencial, por exemplo, mas não precisam acompanhar o desempenho da equipe a todo momento.

3. Autonomia

Todo trabalho contém uma dose maior ou menor de desafios. Não vivemos em um mundo fixo e imutável. Circunstâncias inesperadas surgem e é preciso dar conta de superá-las. Os princípios da Gestão Ágil estimulam os colaboradores a resolverem problemas com autonomia, usando os talentos e conhecimentos para chegar às conclusões mais convenientes e adequadas. Pode-se dizer até mesmo que as equipes têm liberdade criativa: em face de um problema, elas têm independência para debater a solução entre si e superar barreiras em pouco tempo.

4. Comunicação eficiente

Esse nível de autonomia demanda que o time médico de consulta particular tenha uma comunicação totalmente transparente. O trabalho em equipe é, em larga medida, um esforço conjunto de transmissão de informações e troca de ideias.

O caráter detalhista da Gestão Ágil faz com que a eficiência comunicativa seja um elemento fundamental de todo o trabalho realizado, que inclui reuniões diárias ou semanais. Um time em completa sintonia é um time pronto para entregar resultados em tempo hábil.

5. Participação do cliente

A característica coletiva da Gestão Ágil também se estende à figura do cliente. Ele não fica isolado e distante, aguardando pelo produto ou serviço. Muito pelo contrário: ele pode ajudar no desenvolvimento de uma entrega nova atacado. Trata-se de uma participação ativa que assegura a qualidade do bem, durável ou não, que é oferecido.

Conheça os 10 pilares da Gestão Ágil

O conceito que estamos abordando ao longo do texto foi desenvolvido por um grande grupo de executivos denominado Aliança Ágil. Juntos, cerca de 20 profissionais definiram os 10 pilares da Gestão Ágil, que correspondem aos fundamentos dessa ideia.

É preciso conhecê-los para ter condições de empregá-los em diversos setores e áreas, desde atuador de dupla ação até indústria têxtil. Prossiga a leitura para ter contato com eles.

1. Entregas contínuas para a satisfação do cliente

A alta frequência de entregas durante o desenvolvimento do produto ou serviço é ótima para manter o cliente satisfeito. Essa condição permite que a empresa se planeje por fases, diminui as dúvidas e incertezas sobre o desempenho e, acima de tudo, aumenta a confiança do cliente na empresa.

Dessa forma, todo o processo de trabalho se dá de maneira otimizada e o produto final vai se adequar muito melhor às expectativas e às necessidades do consumidor.

2. Adequações dos projetos

Na Gestão Ágil, mudanças ao longo da execução dos projetos são muito bem-vindas. É uma característica típica do formato flexível que o conceito propõe.

As adequações são indícios de que a produção de gás r22 por exemplo, esteja seguindo os melhores parâmetros para a satisfação do consumidor final. Elas incluem até mesmo abandono ou criação de novas funções, tudo para criar a melhor solução para o público.

3. Executivos e desenvolvedores em conjunto

A Gestão Ágil possibilita que todas as partes do negócio participem em conjunto do desenvolvimento dele. Os executivos, desenvolvedores e clientes devem atuar em colaboração. Assim, os requisitos do sistema vão ser alcançados com maior qualidade. Além disso, essa característica torna possível fazer decisões mais assertivas. Os envolvidos têm acesso a informações e tecnologias próprias para isso.

4. Interação face a face

Mesmo que os aplicativos de comunicação à distância sejam cada vez mais necessários, as reuniões presenciais continuam sendo um dos pilares da Gestão Ágil. Os encontros diários ou semanais têm o papel de definir os próximos passos da equipe. O planejamento de cada projeto é realizado de forma gradual. Alinhar todas as expectativas e desempenhos fica mais simples com reuniões recorrentes.

5. Mensuração de resultados

Em geral, a qualidade do trabalho concretizado é medida por meio dos softwares funcionais que são entregues a cada iteração do ciclo produtivo. Os softwares funcionais consistem em ferramentas de alto valor agregado que podem ser implementadas pela empresa de forma gradual. Por serem partes específicas de um projeto maior, elas dão vislumbres iniciais do trabalho que está sendo executado. Ou seja, são prévias decisivas para calibrar as expectativas do cliente e continuar guiando o trabalho da equipe envolvida.

6. Jornada de trabalho sustentável

A Gestão Ágil não comporta horas extras e esforços adicionais em demasia. Assim, a equipe precisa ter uma boa capacidade produtiva, o que também engloba as horas de descanso. Por isso, o ideal é estabelecer uma jornada de trabalho com horários de entrada, saída e intervalos fixos. Esse é um pré-requisito para manter o time de colaboradores motivado e produtivo, sem causar exaustão e estresse exagerado.

7. Excelência técnica

O uso dessa modalidade de gestão de projetos traz o aspecto incremental, ou seja, o desenvolvimento de novas soluções depois que a excelência técnica de cada versão do projeto é alcançada. Com isso, o desenvolvimento do projeto se mantém evoluindo, agregando novas soluções e tecnologias até chegar ao ponto da elaboração completa. Além disso, há tempo hábil para realizar correções e ajustes, caso eles sejam necessários.

8. Simplicidade

Um time ágil é aquele que entrega resultados de qualidade sem ser submetido a jornadas de trabalho exaustivas. O segredo da Gestão Ágil é a simplicidade: menos carga horária sem impactar negativamente o desempenho da equipe. Esse binômio evita retrabalho e garante que o cliente receberá a solução em menos tempo. Ou seja, o retorno do investimento que ele realizou ocorre com mais rapidez.

9. Comprometimento do time

Os benefícios da autogestão já foram destacados anteriormente. Quem sabe exatamente as funções que deve realizar se esforça mais e gera resultados mais interessantes para a empresa, além de otimizar a rotina e conferências dos líderes. Para isso, o comprometimento dos colaboradores deve ser alto. O gestor tem que marcar presença para garantir que todos estão dando o seu melhor.

10. Avaliação do desempenho

O time precisa se reunir periodicamente para avaliar o desempenho obtido. A avaliação deve ocorrer com boa frequência. Ao fim de cada ciclo de trabalho, quem trabalhou em conjunto precisa mensurar o que foi feito de bom e de ruim. Assim, nos ciclos posteriores os colaboradores vão saber o que deve ser melhorado e o que deve ser mantido. A metodologia ágil é a ferramenta ideal para construir uma dinâmica de produção diferenciada e igualmente eficiente. O emprego estratégico dos princípios elencados aqui garante um ambiente corporativo altamente produtivo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection,
onde você pode encontrar centenas de outros conteúdos informativos 


Nueva llamada a la acción

Nenhum vídeo selecionado

Selecione um tipo de vídeo na barra lateral.