Tendências, notícias, opiniões e melhores práticas na indústria de software de manutenção CMMS.

Internet das coisas e a Gestão de Ativos Físicos

“As tecnologias mais profundas são aquelas que desaparecem, elas se tecem no tecido da vida cotidiana até serem impossíveis de se livrar disso.” Weiser Mark

A Internet das Coisas ou "IoT" é a proposta de colocar sensores e dispositivos em coisas ou objetos, para que eles possam oferecer dados ou informações sobre seu status, localização, operação e outros recursos, tanto através das redes físicas, como sem fio. Em outras palavras, a Internet das coisas oferece a possibilidade de um mundo absolutamente interconectado, em uma densa rede de informações entre humanos e máquinas ou entre máquinas e máquinas, de qualquer lugar e a qualquer hora.

Essa possibilidade de múltiplas conexões é baseada e inspirada na concepção de onipresença e é facilitada pela crescente revolução e expansão das tecnologias de informação e comunicação, bem como pela eletrônica. Nesse sentido, é interessante dizer que a computação onipresente é definida como a tentativa de integrar a computação no contexto pessoal por meio de diversos dispositivos, com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento e realização de tarefas cotidianas.

O exposto leva à concepção da sociedade onipresente, onde todas as pessoas e objetos estão conectados, se identificam e se encontram na grande rede / rede mundial. A eventualidade de estar permanentemente conectado e localizável também levou ao surgimento de uma nova geração de consumidores, que demandam novos produtos e serviços baseados na onipresença e interconexão.

Deve-se notar que a origem da Internet das Coisas (IoT) remonta a 1999, quando Kevin Ashton, co-fundador e diretor do Auto-ID Center (Grupo de Pesquisa focado no desenvolvimento de tags RFID e sensores) do MIT (Instituto Massachusetts Technological) Eu uso essa expressão com os gerentes da empresa Procter & Gamble, a quem tentei convencer sobre a importância de incluir tags RFID (Radio Frecuency Identification) em suas cadeias de suprimentos.

Para entender o significado de um avanço tecnológico tão importante e suas implicações em todas as áreas do conhecimento, da vida e do cotidiano, é necessário lembrar a evolução ou as gerações da internet. Nesse sentido, é interessante referir-se à internet como uma das mais importantes, abrangentes e poderosas criações em toda a história da humanidade, seu impacto em todas as áreas da atividade humana e sua importância na produção / disseminação do conhecimento científico e tecnológico, bem como suas múltiplas aplicações tanto na vida pessoal / familiar quanto no mundo empresarial / organizacional.

Em primeiro lugar, vale destacar a Internet de conteúdo, que começou no início dos anos 90 com a definição de HTTP e a criação da WEB (World Wide Web). Nesta primeira fase, a web era estática e basicamente usada para publicar, disseminar e compartilhar conteúdo.

Posteriormente, surge a Internet dos serviços, de modo que o usuário começou a criar conteúdo, programas XML, serviços da Web e uma ampla gama de ferramentas de colaboração e produtividade e aplicativos comerciais. Em seguida e graças à disponibilidade de acesso de banda larga móvel, você pode falar sobre a Internet das pessoas, aqui proliferar smartphones, tablets e vários aplicativos de redes sociais, que mantêm as pessoas conectadas com as pessoas.

Atualmente estamos presenciando a Internet das Coisas (IoT), uma tecnologia emergente capaz de criar um universo conectado / incorporado, onipresente e ilimitado na rede, no qual humanos e máquinas interagem, com a capacidade de transferir dados através da rede, sem a necessidade de intervenção humana. Assim, ao cruzar o limiar de conectar mais objetos à Internet do que pessoas, abre-se uma enorme janela de oportunidades para a criação de aplicativos nas áreas de automação, o uso de sensores e a comunicação entre máquinas.

Agora, em um mundo onde físico e digital convergem, a tecnologia serve como uma ferramenta para colaboração e tomada de decisões. Cada vez mais, objetos estão sendo integrados a sensores, ganhando capacidade de comunicação e, com isso, as barreiras que separam o mundo real do virtual são quebradas. Um cenário futuro de milhões de dispositivos conectados à rede implicaria uma explosão exponencial. De acordo com um relatório anual da Cisco, em 2018, 50% de todas as conexões virão de um dispositivo móvel. Além disso, as conexões existentes entre as máquinas seriam multiplicadas 11 vezes.

O IoT representa um avanço / salto / evolução na capacidade de coletar, analisar e distribuir dados que podem ser convertidos em informação, conhecimento e sabedoria. Desta forma, a Internet das coisas leva a aplicações revolucionárias com o potencial de melhorar exponencialmente a maneira como as pessoas vivem, aprendem, trabalham, se divertem e se comunicam. Para tanto, tanto no nível doméstico quanto no empresarial / organizacional, a Internet das coisas está mudando o mundo como o conhecemos, gerando implicações tecnológicas, sociais, econômicas, culturais e legais.

De acordo com o exposto, a Internet das coisas é uma tecnologia que permite que os instrumentos sejam implementados e tenham o potencial de mudar radicalmente o modo de fazer negócios, para que as empresas / organizações possam obter vantagens competitivas transformando novas fontes de informação em valor econômico real.

Nesta ordem, para entender a Internet das coisas de um ponto de vista mais técnico, é necessário referir as três camadas que tornam possível, a saber: a miniaturização de Hardware, que implica a redução do tamanho de dispositivos eletrônicos, em que os sensores estão ficando menores, sem prejuízo de sua velocidade, o que permite que sejam incorporados em qualquer objeto, independentemente da circunstância; a infra-estrutura mais inovadora e as necessidades de desenvolvimento de software.

Tendo em conta o exposto e com base em uma rede complexa que conecta bilhões de dispositivos e seres humanos em uma infra-estrutura multi-tecnologia, multi-protocolo e multi-plataforma, a principal visão da Internet das coisas, é criar um mundo inteligente para criar ambientes inteligente. Seus serviços de aplicação expandem-se em muitas áreas, e é assim que falamos de cidades inteligentes, transportes inteligentes, escolas inteligentes, edifícios inteligentes, eficiência energética, organizações inteligentes, saúde inteligente e muito mais, usando diferentes tecnologias como a nano eletrônica, a rede sem fio sensores (WSN), identificação por radiofrequência (RFID), localização, armazenamento e uso da “nuvem”.

A tarefa, então, é construir ambientes inteligentes, capazes de analisar, diagnosticar e executar funções, eliminando possíveis erros humanos, já que tarefas manuais estão sendo substituídas por automatismos que operam com base nessas informações, independentemente da intervenção humana. Para esse fim, muitos segmentos de indústrias / empresas / organizações estão avaliando como é útil obter informações derivadas de sensores, compartilhar e automatizar respostas.

Nesse turbilhão de mudanças e inovações, sustentado pela interconexão de redes e aplicado ao campo industrial, emerge a Internet Industrial das Coisas (IoT), que é definida como uma malha / rede de dispositivos, máquinas e objetos conectados em indústrias, visando atingir padrões de maior produção, qualidade, eficiência e rentabilidade; da mesma forma, entrelaçados com outras indústrias inteligentes e com o ambiente local / global em termos de informação vital como oferta e demanda, serviços e novos mercados, questões econômicas e financeiras, políticas, legais, entre outras.

Toda essa revolução confronta as indústrias com uma nova era de inovação e mudanças, permitindo a interconexão de máquinas inteligentes, tecnologias Big Data, de sensores, de automação e comunicação máquina a máquina (M2M), com as quais empresas, indústrias e organizações podem acompanhar e tomar decisões mais inteligentes em tempo real.

Desta forma, a Internet das Coisas Industrial (IoT), permite atender aos requisitos de negócios, desenvolver mais serviços em tempo real, entrar em processos e relacionamentos complexos, gerenciar incidentes, abordar a degradação ambiental, monitorar atividades, melhorar a integridade da infraestrutura e gerenciar a manutenção.

Autor: Christian D. Struve / Co-fundador e CEO da Fracttal

CTA BLOG-01

 

  • Software Advice FrontRunners 2018
  • Software Advice FrontRunners 2019
  • Great User Experience 2018
  • Rising Star 2018
  • Capterra User Reviews
  • Compara Software
  • Source Forge Partner 2019
  • Source Forge Write a Review