Tendências, notícias, opiniões e melhores práticas na indústria de software de manutenção CMMS.

Cloud Computing - Novas tendências paradigmáticas

A revolução tecnológica é cada vez mais um paradigma de inovação, mudança e transformação que permeia tanto a vida pessoal / familiar / cotidiana, quanto o ambiente empresarial / organizacional.

Tal turbilhão de transformações, centra-se na crescente expansão da informação, posicionando-se na sociedade da informação ou cibersociedade, caracterizada pela geração de uma quantidade impressionante de informação digital traduzida em documentos eletrônicos, livros, videoblogs, redes sociais, enciclopédias digitais, revistas, álbuns de fotos, isto é, um número infinito de arquivos que precisam ser armazenados em algum lugar.

O dito armazenamento, tradicionalmente físico, está sendo substituído por uma nova arquitetura chamada cloud computing, baseada principalmente no grande desenvolvimento da internet. Basicamente, o que essa tecnologia propõe é o uso das vantagens oferecidas pela internet para acessar tanto recursos físicos (hardware) quanto de software, que não necessariamente precisam estar presentes no equipamento utilizado. 

A computação em nuvem é uma virtualização de recursos computacionais que tentam otimizar seu uso e reduzir os custos de infraestrutura. Um modelo focado no uso da Internet, não como um simples provedor de conteúdo, mas como um provedor de serviços baseado nas possibilidades da virtualização; Dessa forma, a computação em nuvem facilita a configuração de um novo sistema de classificação, centralizando as informações que antes eram dispersas em cada um dos sistemas de computação pessoal.

Também podemos definir a computação em nuvem, como o conjunto infinito de serviços de informação, implantados em data centers em todo o mundo, onde milhões de aplicativos da Web e grandes quantidades de dados (big data) estão disponíveis para milhares de organizações e empresas, além de milhares de contas de usuários que executam os programas e aplicativos de software armazenados nesses serviços.

Em essência, a nuvem fornece aos usuários, organizações ou empresas quase todas as atividades fundamentais de computação que podem ser necessárias, como aplicativos de software, plataformas de computador e infraestruturas tecnológicas. O nome da computação em nuvem foi inspirado no símbolo da nuvem que é frequentemente usado para representar a Internet em imagens e fluxogramas.

No entanto, historicamente o conceito fundamental de "nuvem", ou a entrega de recursos de computador através de uma rede global tem suas raízes nos anos sessenta. A idéia de uma "rede intergalática de computadores" foi introduzida por JCR Licklider, cuja visão era de que todos poderiam estar interconectados e ser capazes de acessar programas e dados de qualquer lugar.

Outros especialistas atribuem o conceito científico de computação em nuvem como o Prof. John Mc Carthy, que propôs a ideia de computação como serviço público, sugerindo que a tecnologia de computação compartilhada pode levar a um futuro em que o poder de computação ou de algumas aplicações específicas, pode ser distribuído através de um modelo de negócios específico.

Um dos primeiros marcos da computação em nuvem é a chegada do salesfore.com, pioneiro no conceito de fornecimento de soluções de negócios B2B por meio de um aplicativo da web. O Salesforce prepara o caminho para que especialistas e empresas tradicionais de software publiquem seus aplicativos pela Internet. O próximo desenvolvimento foi o Amazon Web Services em 2002, que fornece um conjunto de serviços baseados em nuvem, incluindo armazenamento, computação e até inteligência humana por meio do Amazon Mechanical Turk.

Mais tarde, em 2006, a Amazon lançou seu Elastic Compute Cloud (EC2) como um serviço comercial que permitia que pequenas empresas e indivíduos alugassem equipamentos nos quais executavam seus próprios aplicativos de computador. Outro marco importante veio em 2009, quando o Google e outras empresas começaram a oferecer aplicativos baseados em navegador.

A partir daí, outros fatores que permitiram a evolução da computação em nuvem foram as tecnologias de virtualização, o desenvolvimento de largura de banda (que permite conexões entre computadores em velocidades nunca vistas) e a proliferação de dispositivos móveis. de todos os tipos com acesso à internet. O acima mencionado favoreceu o armazenamento on-line ou na Web, o que implica impacto social ou econômico traduzido em economia de espaço físico, investimento econômico e gerenciamento tecnológico. Em outras palavras, altos níveis de infraestrutura e manutenção para uso de software tendem a desaparecer.

Os serviços de computação em nuvem são divididos em três grandes categorias: Infraestrutura como serviço (IaaS), plataforma como serviço (PaaS) e software como serviço (SaaS). Em referência à Infraestrutura como um serviço (IaaS), deve-se notar que com esse modelo é possível configurar uma plataforma de TI que está imediatamente disponível, sem esperar a chegada do equipamento e a capacitação do data center, que cresce e diminui conforme necessário.

Com relação à plataforma como serviço (PaaS), pode-se dizer que ela está voltada principalmente para empresas (ou pessoas) que desenvolvem software ou serviços da web. Os provedores (PaaS) oferecem aos seus clientes a plataforma para seus aplicativos executarem e suprimirem a complexidade da instalação, configuração, administração e escalabilidade da plataforma.

Em referência ao software como serviço (SaaS), é interessante destacar que se trata de um modelo de negócios que soou muito forte nos anos 90, mas com outro Provedor de Serviços de Aplicativos de nome (AsP). Agora, sob o nome (SaaS), seu modelo é semelhante, o software é executado nos servidores da empresa que o desenvolve e os usuários o acessam remotamente pela Internet.

Está focado em negócios e consumidores finais. Ou seja, os aplicativos de software são usados na nuvem e executados diretamente, sem a necessidade de instalação, manutenção ou atualização. Software como serviço é um modelo de distribuição de software no qual os aplicativos estão disponíveis para os clientes em uma rede, geralmente na Internet.

As nuvens podem ser privadas, públicas ou híbridas: a pública é aquela que vende serviços de internet para qualquer usuário, ou seja, são de propriedade de outro provedor de serviços de nuvem, que os gerencia e oferece seus serviços, como servidores e armazenamento, através da internet. Com uma nuvem pública, todo o hardware, software e outros componentes da infraestrutura subjacente são de propriedade do provedor de nuvem, que também os gerencia. Nesse caso, os serviços são fornecidos pelo provedor, mas são compartilhados por diferentes clientes.

Nuvens privadas são uma rede ou um data center que pertence a uma organização e oferece serviços de hospedagem para um número limitado de pessoas, quando o provedor de serviços usa recursos de nuvem pública para criar sua nuvem privada, o resultado é chamado de nuvem privada virtual. Desta forma, os serviços são contratados exclusivamente pelo cliente sem serem compartilhados com outros clientes. Uma nuvem privada se refere a recursos de computação na nuvem, usados ​​exclusivamente por uma empresa ou organização. Nesse tipo de nuvem, serviços e infraestrutura são mantidos em uma rede privada.

Na nuvem híbrida, parte dos servidores residem na nuvem pública e parte na privada. Nesse caso, os serviços gerais e comumente usados ​​da empresa são instalados na nuvem pública e recursos críticos no privado. No entanto, ao permitir a movimentação de dados e aplicativos entre nuvens públicas e privadas, a nuvem híbrida oferece às empresas maior flexibilidade e mais opções de implantação. Seja privado ou público, o objetivo da computação em nuvem é oferecer acesso a recursos e serviços de computação de maneira simples e confiável.

Outra vantagem do Cloud Computing é fornecer maior adaptabilidade, recuperação completa da perda de dados e minimização do tempo de inatividade. Uma infraestrutura 100% Cloud Computing também permite que o provedor de conteúdo ou serviços na nuvem dispense a instalação de qualquer tipo de software, já que isso é fornecido pelo provedor da infraestrutura ou da plataforma de nuvem. Assim, um grande benefício é a simplicidade e o fato de exigir pouco investimento. Esta revolução tecnológica está transformando a gestão empresarial / organizacional, gerando mudanças substanciais e profundas na maneira de conhecer, produzir, comercializar, manter e divulgar bens ou serviços.

À medida que a nuvem penetra na sociedade, sua visão de mundo mudará, em direção à sociedade onipresente, na qual estaremos conectados à rede em qualquer lugar, a qualquer momento e de qualquer dispositivo, facilitando o acesso ao conhecimento universal, que residirá nas imensas bases de dados da Web. Como conseqüência, o contexto empresarial / organizacional está se transformando em esferas abertas e globais, o que por sua vez gerará mudanças profundas no modo de trabalhar e no modo de fazer negócios.

Autor: Christian D. Struve / Co-fundador e CEO da Fracttal

CTA BLOG-01

 

  • Software Advice FrontRunners 2018
  • Software Advice FrontRunners 2019
  • Great User Experience 2018
  • Rising Star 2018
  • Capterra User Reviews
  • Compara Software
  • Source Forge Partner 2019
  • Source Forge Write a Review